Category Archives: Uncategorized

Este mundo de hipocrisia e inveja …

Ora agora que eu tinha tomado a decisão de ir assistir ao primeiro jogo de Portugal contra no Qatar a contar para o Campeonato do Mundo de Futebol, contra o Gana, quando já mandara fazer reserva da viagem de avião, além de me sujeitar a ter de dormir num hotel de Mascate, em Omã, por falta de capacidade hoteleira no Qatar, é que “soube” não ser país recomendável e ninguém de um país “civilizado” como o nosso deve viajar para lá, muito menos para assistir a jogos de futebol em estádios construídos com mão de obra de migrantes, especialmente asiáticos e africanos, a  trabalhar em condições sub-humanas. Como é que só soube isto a tão poucos dias do embarque? Claro que, mal me inteirei do que os “catarianos” fizeram, fui logo a correr à agência de viagens e desisti das reservas que fizera para ver se ia a tempo de não pagar nada da viagem e hotel, caso contrário ia ter de me ver e desejar para reaver o meu rico dinheirinho como já me aconteceu num passado recente. E ainda bem que a imprensa e os nossos políticos estavam bem atentos e descobriram a tempo estas coisas …

Se eu andasse neste mundo a “ver passar os comboios” até me podia ter acontecido algo parecido com isto que escrevi, mas não é o caso. A verdade é que, logo que em 2 de Dezembro de 2012 se soube que a Rússia organizava o Campeonato do Mundo de Futebol em 2018 e o Qatar em 2022, algumas vozes denunciaram a eventualidade de ter havido corrupção para o Qatar ter conseguido algo de impensável, dado ser um pequeno país, sem peso no mundo do futebol e onde os direitos humanos são letra morta. E nessa altura não se viu nenhum movimento sério para contrariar tal decisão e muito menos se falou nem contestou a Rússia que iria organizar a edição de 2018. Ora, que se saiba e sabia já nesse tempo, a Rússia não é nenhum país modelo no que toca a direitos humanos, o que veio a ser comprovado muito recentemente com os crimes cometidos na Ucrânia. Mas, o Qatar e a Rússia não mudaram (aliás, esta mudou para muito pior) e não se viu ninguém com responsabilidades a promover campanha de rejeição à participação tanto num país como no outro, como se isso fosse uma forma de validar o regime ou qualquer política de discriminação.

Já se sabia então que nos tribunais do Qatar o testemunho de uma mulher vale metade do de um homem ou nem sequer o aceitam. Que nesse país a poligamia é permitida e a flagelação é usada nos castigos de quem consome álcool ou tem relações sexuais ilícitas. O adultério é castigado com chibatadas e as relações homossexuais com a pena de morte. Que os trabalhadores estrangeiros de mão de obra pouco qualificada são muitas vezes explorados e quiçá remetidos à condição de escravatura com espancamentos, retenção de pagamento, confisco de passaporte, cobranças indevidas, restrições à liberdade, ameaças e agressões sexuais além de prisões arbitrárias. E como se isso não lhes bastasse, muitos deles são explorados por engajadores no seu país a quem têm de pagar taxas exorbitantes. E cá entre nós, se pensarmos bem, não ouvimos já falar de algumas coisas parecidas em Portugal?

Claro que, mediante o coro inicial de contestação, o regime do Qatar prometeu fazer mudanças em todas as questões relativas a direitos humanos, para garantir a organização do Mundial de Futebol naquele país do Médio Oriente (que veio a conseguir através de meios pouco ortodoxos e lícitos) e que levariam à demissão de altos dirigentes do mundo do futebol. Mas, o certo é que o evento foi atribuído ao Qatar e não se viu no mundo civilizado nenhuma tentativa de boicote quando tal era possível e justo. Por isso, “quando a noiva está no altar” e nós somos “convidados” de pleno direito e aceitamos, esperando apanhar o “ramo de flores” com que os portugueses sonham, hoje mais do que nunca, não faz sentido que, agora, se levantem “virgens ofendidas” e moralistas de meia-tigela a gritar “aqui d’el rei” e a apontar o dedo, e quando já validaram coisas piores. E que moral temos para falar de “exploração de migrantes” se fechamos os olhos ao que fizemos aos emigrantes de Ourique e outras “paragens” nacionais onde é precisa mão de obra barata? Quantos anos andamos a assobiar para o lado? E até já nos esquecemos que milhares deles continuam por cá, muitos em situação que “valha-nos Deus”! Nem de propósito, hoje foi notícia mais um caso no Alentejo …

O Mundial do Qatar foi decidido em 2010 por uma quadrilha de gente corrupta, afastada (de bolsos cheios) por indecente e má figura, mas tem sido essa a realidade do mundo do futebol. Só os ingénuos creem no Pai Natal, mas mesmo assim esperam receber prendas! Sendo ele jogado no deserto, na areia, faria mais sentido ser futebol de praia e já a contestação não teria o mesmo mediatismo. O maior problema é que, debaixo dos oito estádios existe um enorme barril de petróleo e gás natural que dá para fazer o Campeonato mais caro da história e sobra uma riqueza imensa mesmo depois de umas quantas “prendas” que muitos mais gostariam de ter recebido. Não sei se é hipocrisia ou inveja o que meio mundo político anda a fazer chafurdando na lama, ma sem querer sujar-se.

O Qatar é um país pequeno, sem expressão, mas onde há dinheiro de sobra para querer o Mundial. E tem esse direito de se pôr em “bicos de pé” para ser visto por todo o mundo e a ter as regras e normas de vida que entendem. Perceberam que o futebol é uma boa montra, daí a aposta ter sido muito alta. Daí terem apostado forte nas estruturas, como apostaram na FIFA e nas pessoas que a serviam e decidiram a escolha do organizador, sabendo da sua fragilidade: recetividade à corrupção. E como dinheiro não era problema … 

O certo é que nenhum país impediu a sua seleção de participar, que se saiba nenhum jogador se recusou a estar presente por ser naquele país, os governantes apesar de mandarem uns bitaites, lá vão parar a título de dar força à sua seleção e as poucas manifestações são muito envergonhadas e discretas para não ser posto em causa o direito de jogar ou até assistir, coisa que ninguém quer. Esse ruído deveria ter sido muito forte e atempado sobre a FIFA e os representantes das Federações nacionais, os únicos responsáveis por o Mundial se estar a realizar ali. Porque os governantes do Qatar fizeram o seu papel. E quem não gostar de ir lá, que fique em casa, mas seguramente vai ver a seleção do seu país, ainda que pela televisão.

No entanto, o barulho provocado por milhares de vozes ao gritar golo e os cânticos dum estádio inteiro a incentivar a sua seleção abafarão o “ruído” fora de tempo à volta do país que acolhe o Mundial, calam as promessas de Marcelo em ir falar lá sobre direitos humanos, como nos farão esquecer “misérias” internas que nos deviam envergonhar.

Mas que não fiquem dúvidas: Eu sou dos que invejo e muito todos os cerca de 313.000 cidadãos do Qatar, porque gostaria de usufruir do mesmo privilégio que eles têm. Não, não é o facto de terem o Mundial em 8 estádios espetaculares, nem de poderem ver os jogos ao vivo. Só os invejo por serem dos poucos habitantes deste planeta que não têm de pagar impostos … 

O sucesso de uma sociedade: Educação

Tive de parar o carro perto da porta de entrada duma escola e dei comigo a observar o caos provocado pelo enorme movimento de carros, de pais e mães a recolherem os filhos para o regresso a casa. E pensei no quanto mudamos em relação à minha infância e de como somos agora tão diferentes dos japoneses onde os pais não levam os filhos à escola. São as crianças que começam desde os 6 anos de idade a ir sozinhas ou em grupo, quando muito acompanhadas por alunos mais adiantados. É assim que aprendem a ser responsáveis. Quando era criança também era a pé, sozinho ou na companhia dum vizinho que ia para a escola, em liberdade e com alguma responsabilidade.  

O sistema de educação japonês é reconhecido mundialmente e o povo é famoso pela sua inteligência, saúde, educação e bem-estar. Mas o que é que torna essa nação tão diferente do resto do mundo? Uma das razões está no sistema de ensino, que é diferente e interessante. Defendem eles que as crianças devem aprender boas maneiras antes de conhecimentos. Assim, a escola nos 3 primeiros anos não as julga pelos seus conhecimentos, mas procura incutir-lhes as boas maneiras e desenvolver-lhes o caráter, sendo ensinadas a respeitar as outras pessoas e ser gentis com os animais e a natureza. Aprendem ainda o que é a generosidade, coragem, justiça, compaixão, autocontrole e empatia. Para eles, de nada serve o conhecimento se um ser humano não cultiva a generosidade e os valores morais antes de tudo mais. Não me parece que estas sejam as preocupações principais do nosso ensino básico nos 3 primeiros anos, nem sequer nos anos seguintes. Mas que fazem muita falta às nossas crianças e futuros adultos, não restam dúvidas! E só não vemos se não quisermos …

No Japão, antes de começar o ano letivo cada estudante recebe um calendário escolar com todas as atividades e se algum professor faltar, a aula não será suspensa e não haverá “furo” pois qualquer aluno está capacitado para a dar graças ao facto de ter o programa consigo. Em quase todas as escolas não existe equipa de limpeza. No Japão e noutros países asiáticos. Desde muito pequenos, eles são ensinados a trabalhar em equipa e a ajudar-se mutuamente. É por isso que, tanto professores como alunos, têm a responsabilidade de limpar a escola. Sempre! E é assim que o tempo e esforço gastos nas tarefas de limpeza faz com que as crianças respeitem o seu trabalho e o dos outros. Ponho-me a imaginar o que diriam ou até o que fariam alguns “papás” cá do burgo ao saber que os seus adorados filhinhos faziam a limpeza da escola! Coitados dos professores. Se mesmo sem isso já “levam no focinho” de alguns pais imbecis e destravados …

A educação começa em casa. Os pais ensinam seus filhos e dão ênfase ao respeito pelas pessoas da terceira idade. Fazem-no principalmente para honrar a sua experiência e sua sabedoria. Nesta cultura, o valor familiar é fundamental. Eles valorizam a família sobre todas as coisas. O amor, a confiança e o carinho, devem permanecer entre as diversas gerações, desde os pais aos bisavós. Além dos assuntos tradicionais, os estudantes japoneses ainda aprendem caligrafia japonesa e poesia. As duas classes ensinam as crianças a respeitar a sua própria cultura e as tradições seculares. Pelo contrário, cá entre nós, a “malta” acha que as tradições são “coisas de velhos” e não interessam a ninguém!

Quase todas as escolas japonesas exigem que os seus alunos usem uniforme, com o objetivo de eliminar barreiras sociais entre eles e promover um sentido de comunidade entre estudantes. E é curiosa a taxa de presença escolar: 99,9%!!! É que os estudantes japoneses não costumam faltar às aulas. Quem mais se pode orgulhar disso? Já para não falar na quase nula taxa de analfabetismo …

Quanto aos professores, são as pessoas mais respeitadas e admiradas da sociedade e por isso chamados de “senseis” (mestres), pois além de terem a responsabilidade de passar seus conhecimentos às novas gerações, têm ainda a difícil tarefa de ajudar a formar o caráter dos jovens. O governo assume que são de importância crucial e por isso capacita-os regularmente e paga-lhes excelentes salários. Diz-se até que são os únicos que não têm de fazer vénia ao imperador. Ora, se virmos bem, cá em Portugal os professores estão “muito melhor” que os seus congéneres japoneses. Ó se estão! O estado pede-lhes sempre muito, mas dá-lhes sempre pouco e assim fica equilibrado. Os pais dos alunos de vez em quando presenteiam-nos com alguns “mimos” com que eles não contam, mas que deviam estar à espera. Os alunos, sempre que chamados à atenção, prometem-lhes a “atenção” dos “papás”! Quanto à sociedade em geral, preocupa-se mais quando falta o picheleiro ou o eletricista (com todo o respeito que eles merecem)!

Por tudo isto podemos perceber porque é que o Japão, apesar de não ser um país com a dimensão da Rússia ou do Brasil, apesar de ter no seu território mais de 200 vulcões com 100 deles ativos, apesar de ter saído da Segunda Guerra Mundial derrotado e devastado com a sua economia no fundo, tem hoje um PIB (Produto Interno Bruto) que é 20 vezes maior que o nosso e que faz dele a terceira maior economia mundial, somente atrás dos Estados Unidos e da China. E tudo se deve à grande aposta que este país fez na educação, a causa principal do seu sucesso e do milagre económico.   

A grande lição que o Japão nos dá é de que devemos começar sempre pela educação. É a base fundamental de qualquer sociedade e um dos seus grandes pilares. Assim o entenderam e puseram em prática os japoneses com o sucesso que lhes é reconhecido. Talvez devêssemos meditar sobre os seus méritos e, quiçá, aprender com eles, a começar por essa coisa de se ensinar “boas maneiras” às nossas crianças além de valores morais antes mesmo das ciências e da matemática, para no futuro termos uma sociedade de “boas pessoas”, cidadãos educados, responsáveis e solidários, se é que achamos que isso pode interessar ao nosso futuro comum …

A lei do “menor esforço” e a fatura que aí vem …

Os investigadores justificam a existência da “lei do menor esforço” através das orientações que o nosso cérebro dá ao organismo para economizar energia, isto é, atividade física. E na realidade, a vida dos seres humanos foi sendo feita no sentido de reduzir o esforço físico em todos os trabalhos fazendo-se substituir pelas máquinas. Assisti a esse “filme” desde a minha infância, num tempo em que a maioria das profissões exigia das pessoas muito esforço, sacrifício e sofrimento. 

Há setenta anos atrás não existiam máquinas e todo o trabalho era manual. Quando muito, tendo o auxílio de algum animal, como o boi e o cavalo. O braço e a sua força eram o motor, se bem que todo o corpo era esforçado, em muitos casos ao máximo. Para se ter uma noção do que isso significava basta dizer que o adubo era embalado em sacos de … 100 kgs, transportado por via-férrea em vagões carregados de sacos até ao teto e descarregados do vagão para o armazém, às vezes a dezenas de metros de distância, às costas de meia dúzia de homens, carregando cada um o seu saco, um atrás do outro até o vagão ficar vazio. E havia épocas em que era saco a seguir a saco e vagão a seguir a vagão. E o que acontecia com o adubo acontecia com muitos outros produtos embalados em sacos de 100 quilos …

Os pedreiros construíam as casas com grandes pedras de granito a pesar centenas de quilos cada, fazendo-as subir aos trambolhões sobre vigas de madeira à força de braço até ao seu lugar em cima da parede. Só quando esta chegava à altura dum homem se utilizava a engenhoca rudimentar feita com um sarilho e dois eucaliptos em V invertido com uma roldana no vértice para levar as pedras ao cimo da parede em construção.

Ora, o trabalho era duro e sujo, tanto para o carregador, como para o pedreiro, lavrador, carpinteiro, ferreiro ou jornaleiro. Ainda tenho viva a imagem do senhor Moura, jornaleiro de profissão, a “saibrar” uma mata. Cavou o terreno todo com um metro de profundidade e, enquanto cavava, ia enterrando mato para o aligeirar e enriquecer de matéria orgânica. Eram vidas suadas, esforçadas, sofridas, apesar de mal alimentadas.

Mas o engenho humano foi capaz de criar todo o tipo de mecanismos para o aliviar das tarefas pesadas, pelo que hoje já (quase) ninguém carrega grandes pesos, a não ser no ginásio. O senhor Ricardo chegou no furgão, estacionou e tirou a botija de oxigénio que colocou num carrinho de transporte apropriado. Com toda a facilidade levou-a até casa e só demorou o necessário para trocar as botijas, regressando com a vazia também colocada no carrinho. Quando lhe perguntei se era fácil, respondeu: “Hoje isto é um luxo. Mas já trabalho há muitos anos na empresa e no princípio às vezes era muito duro. Tinha um cliente que vivia no 12º. andar, mas os elevadores não funcionavam porque lhe roubaram os cabos. Eu tinha de carregar a botija às costas pelas escadas, para cima e para baixo. Era duro”. Já o António saiu do camião, agarrou num comando e fez baixar uma plataforma traseira para onde se passou voltando a fazê-la subir ao nível da carga. E aí, com um porta-paletes manual, passou duas cargas para a plataforma que fez baixar com o comando até ao chão sem qualquer esforço. 

Apesar das décadas de evolução em que o espírito inventivo do ser humano e a necessidade e vontade de fazer mais em menos tempo fizeram com que surgissem as máquinas e acessórios mais diversos para ajudar o homem nas suas tarefas, quando não a substituí-lo, de já quase nada se carregar às costas, mas em mecanismos diversos e de uma máquina rasgar mais metros de estrada numa hora que um batalhão de homens escavava num dia, de se reduzir o peso de quase todas as embalagens (os sacos de adubo passaram de 100 quilos para 50 e depois para 20, havendo já embalagens de 10, de 5 e 1 quilo), a verdade é que algumas profissões continuam a ser de trabalho braçal e sujo, um estigma que afasta os jovens de hoje. É verdade que essas ninguém quer. Pelo facto de se ter o 12º ano, que mais não é que a antiga quarta classe, e sem experiência profissional, já se exige “um emprego limpinho”, algo como serviços administrativos, trabalho de receção, fiel de armazém. Enfim, uma rejeição liminar de empregos que exijam um pouco mais de esforço físico e não seja necessário ter de “pôr as mãos na massa”. Daí ser um drama e uma impossibilidade, conseguir um jovem para trabalhar na construção civil, seja pedreiro, trolha, serralheiro, carpinteiro ou outra do gênero. Um empresário da construção dizia que já não tem um “moço de massa” há mais de vinte anos e o dono de uma serralharia, que já lá vão oito anos sem que lhe entre porta dentro alguém que queira ser aprendiz.

É uma atividade onde a falta de mão de obra só poderá ser resolvida com a entrada de emigrantes e onde os valores salariais dum artista podem ultrapassar os de muitos licenciados. E ao dizer isto recordo a conversa que há mais de trinta anos tive com um grupo de franceses. Já nessa altura em França ganhava mais um operário da construção do que uma grande parte das pessoas licenciadas pois os franceses só queriam os “empregos limpinhos”, rejeitando as profissões “braçais” tidas por “menores”. Essas ficavam para os emigrantes. E muitos anos volvidos, aqui estamos nós na mesma situação. 

Na Costa Rica, onde a riqueza produzida por habitante é metade da nossa, esse tipo de empregos é sempre ocupado por emigrantes, no caso principalmente oriundos da Nicarágua, porque os cidadãos da Costa Rica se recusam a desempenhar tais funções. E o mesmo se passa em muitos outros países. Isto traz-me à memória uma frase de um cínico: “Nunca faças o trabalho que podes mandar alguém fazer por ti”. É assim que hoje nos vemos a braços com o problema de falta de mão de obra nessas profissões, alegadamente porque os jovens as rejeitam (muitos nem sequer querem ouvir falar nessa “coisa” a que chamam “trabalhar” …), pelo estigma e porque não, já para não falar da “sociedade de dependentes do estado” que os (des)governos vão aumentando constantemente e que não tarda muito a ser maior do que a daqueles que criam riqueza … e trabalham.

Shoichiro Toyota, que durante anos presidiu à Toyota, justificava o declínio do ocidente da seguinte forma: “Uma sociedade que mede o seu bem-estar por aquilo que não faz, pelo tempo de lazer que tem, está condenada ao fracasso”. Será só filosofia oriental ou nós vamos mesmo ter de pagar essa fatura pesada um dia destes?  

Chorar quem parte ou celebrar a vida

Num cemitério da Lituânia um homem para diante de uma sepultura e chora convulsivamente durante alguns instantes. Depois recompõe-se, vai um pouco mais adiante e detém-se frente a outra sepultura e entoa cânticos em honra da pessoa ali enterrada. E, passando de uma a outra, vai visitando mais algumas até se retirar na companhia da mulher que o espera e conforta. É o “visitador de campas” contratado por descendentes dos falecidos e pago para chorar ou cantar certo número de vezes por ano, conforme os seus desejos. Os mortos não são da sua família e muitos deles nem os conheceu. Diante daqueles em que tem de chorar, torna-se mais difícil pois tem de se comover, pensando em momentos tristes que o emocionem para que o choro e as lágrimas corram naturalmente. Já o faz há muitos anos, sendo um “trabalho” difícil para ele que é sensível e emotivo, embora tenha na mulher um apoio para superar a sua tristeza. O curioso da história é que alguns “contratantes” querem que chore diante da campa, mas outros desejam que cante. Quem estará certo? Diante de um túmulo devemos chorar ou cantar? Sem querer julgar tal costume cultural de chorar ou cantar, muito menos por interposta pessoa, penso que ambos têm razão. O choro ou a cantoria, a tristeza ou a alegria, são duas faces de uma mesma moeda: homenagear o morto.                                                                                                    O choro é o mais tradicional direito e expressão de luto. Sai-nos do interior quando sentido e faz parte dos rituais de separação e entrega dos entes queridos que partem. Mas a cantar também se chora, isto é, celebra a vida de quem parte como aquilo que foi mais importante e deve ser celebrado. Essas diferenças na despedida ao defunto são tão antagónicas de cultura para cultura, de país para país e até de região para região. Mas o que importa neste processo, é honrar a memória de quem nos deixa e consolar quem fica em sofrimento, cedendo-lhes o ombro para chorarem à vontade.                                                               No Brasil os funerais acontecem em 48 horas no máximo, reflexo de como o brasileiro encara a morte e na tentativa prática de encerrar o sofrimento o mais depressa possível. No México, o Dia dos Finados é uma das festas mais populares e alegres do mundo. É comemorado com muito entusiasmo, amor, música, comida e fantasias da tradição asteca e católica. O funeral na Rússia é uma manifestação alegre, com roupas coloridas, para honrar quem nos deixou e consolar quem fica. Na Irlanda, o velório ainda é melhor do que um casamento. A família convida os amigos para o pub (bar) preferido do defunto, onde existe muita comida, cerveja e uísque, muitas histórias alegres, risos, alegria e música ao vivo, para festejar e rever as boas memórias do falecido. Nos enterros tradicionais em Nova Orleães, nos Estados Unidos, uma banda acompanha o cortejo fúnebre e, da casa do morto ao cemitério, toca música jazz, triste e dolorosa, com a multidão de rosto sério e ar carregado. Porém, mal o caixão esteja debaixo de terra, a banda passa a tocar música animada, a festa inicia-se e não tem hora para acabar, com todo o mundo a dançar, a comer e beber. O funeral começa com as pessoas a chorar, manifestando tristeza por quem morre e termina com risadas e grande alegria, canto, bebida e festa, em celebração e homenagem à vida do defunto na sua passagem por este mundo.                                                                                                         Em Portugal a tradição ainda é o que era e choramos, embora sejam bem conhecidas as frases: “o choro é uma expressão de fraqueza”, “o choro é a arma dos fracos” e, numa variante um tanto machista, dizer: “homem que é homem não chora”. Porque o choro, apesar de ser um fenômeno físico-biológico em que o corpo, ou melhor ainda, os olhos, derramam lágrimas, também é a forma de exteriorizar as emoções, os estados de alma e sentimentos. É um facto que o ser humano chora.                                      Entre nós já não existem as carpideiras, mulheres vestidas de negro, completamente, e estranhas ao morto, contratadas para chorar nos velórios e enterros alheios, com a intenção de aumentar a emoção no funeral e a popularidade desse defunto, embora ainda continuem a existir nalgumas zonas do Brasil, Itália, Grécia e até na China. Ainda assisti a esse ritual de choro histérico e encomendado que me ficou gravado na memória pelo choque e medo que apanhei porque era eu uma criança muito pequena quando o ouvi pela primeira vez. Mas, e apesar disso, tanto no velório como no funeral, ainda é no choro que encontramos a melhor forma de comunicar o sentimento de perda e dor, embora num ambiente menos pesado que outrora. O chorar como expressão do luto, como forma de trabalhar a perda dos entes queridos e aliviar a dor, faz parte do ritual das Exéquias e, mais ainda, é um direito. O choro é catártico, tem uma força curativa, é parte dos ritos de separação e de entrega dos nossos entes queridos que partem. Precisamos disso como parte do luto de cada um. Porém, para quem prefere formas alternativas de manifestar nas despedidas, as agências funerárias mais credenciadas já dispõem de um serviço de música tocada e cantada ao vivo, com temas que vão dos clássicos, ao gospel e litúrgicos, adequados à cerimónia e ao gosto de cada um.                                             Durante o confinamento por causa da pandemia, alguém desabafava: “Chorei muitas vezes na vida. Chorei quando levei algumas palmadas da minha mãe, mas o choro mais profundo e doloroso foi quando ela morreu sem ter a possibilidade de me despedir dela e estar presente no seu enterro. Embora tenha chorado muitas vezes e saiba chorar, já não sei como o fazer, porque a morte passou não apenas a ser vista, mas a incomodar, a apavorar, sem o direito de chorarmos os nossos mortos e cauterizar as feridas através dos ritos porque, o sofrimento e dor, podem ser uma ocasião que aproxima o ser humano de Deus”.                                                                                                                       A morte faz parte da vida, mas não fomos educados para isso. A nossa educação tem essa lacuna e a morte é-nos estranha até à hora em que chega. E então, irrompe a dor e as lágrimas porque é assim na nossa tradição de séculos. E não me parece que tão cedo adotemos o canto, a comida, a bebida e até a alegria para celebrar quem morre, pois lá bem no fundo estamos formatados no modo triste e choroso e não há volta a dar. Mas, como “a vida é feita de mudança” …  

Adão e Eva foram felizes. Sem sogra …

O camião seguia à minha frente e, quando me aproximei, li a frase escrita em letras garrafais na traseira do veículo: “Feliz foi Adão que não teve sogra nem camião”. Não sei se o motorista tinha sogra ou se aproveitou o tema para “aligeirar” a dimensão do obstáculo que é um camião à frente de um ligeiro. E lembrei-me deste hábito que quase todos os homens têm de fazer piadas sobre sogras, mesmo que as não tenham ou, no caso contrário, tenham de dar graças a Deus pela sorte que têm com a sua. Sabe-se que é muito mais raro existir problemas entre sogra e genro e mais comum a guerrilha entre sogra e nora. É que o homem acaba por ser “adotado” pela família da mulher, mas a mulher, em geral, é vista como intrusa e questionada na família dele. Diz a estatística que os conflitos são mais frequentes entre as noras e suas sogras e a ciência descobriu que essa rivalidade está associada à existência da menopausa. O que nós ficamos a saber atualmente!!! 

E a prova de que sogras difíceis não são o maior problema da vida de um homem é o caso de Giovani Vigliotti, o americano que casou 104 vezes entre 1940 e 1981, usando o seu nome e mais 50 pseudónimos. As suas 104 sogras foram um problema bem menor que os 34 anos de prisão que apanhou por ter cometido tantas ilegalidades para estabelecer tal performance…

Em geral, os homens não desgostam das sogras. Não são o problema que domina a vida deles. Como diz um provérbio polaco, “o caminho para o coração da sogra é através da filha”. Aquilo que a maior parte das mães das mulheres quer, mais que tudo, é ver as filhas felizes. E não precisam de chegar tão longe como o Luís Costa, agricultor que foi notícia no Brasil, não pelos produtos agrícolas que produzia, mas por ter tido 50 filhos de duas mulheres, de uma cunhada e, veja-se lá, da sogra. E ainda há homens a fazer humor com a sogra, quando até podiam fazer coisas mais interessantes com ela! Ou estarei errado?  “A mulher foi a melhor coisa que Deus fez no mundo”, afirmou ele para justificar os 4 relacionamentos que teve, inclusive com a sogra que passou para, além da condição de mãe da mulher, mãe de um dos seus filhos …

A maioria dos dramas da vida real são provocados pela mãe dele, a sogra da mulher. Estudos indicam que mais de metade das sogras delas causaram-lhes problemas. Não sendo geral a todas as noras, uma sogra que se mete na vida do casal e opina permanentemente, implica e chateia até mais não, pode ser fatal para o relacionamento. 

O sentimento de posse de algumas mães pode transformá-las em sogras difíceis. Muitas consideram-se donas dos filhos desde o seu nascimento. Assim, quando um homem que já tem “dona” resolve levar a namorada para casa, a reação da sogra é considerá-la como uma ameaça ao seu poder materno. E reage com críticas, implicações e chantagem emocional. Por detrás de tudo, esconde-se uma disputa pelo poder de dominar o mesmo homem. A maioria das sogras tem um medo de perder o seu filho para outra mulher. Desde logo há uma sensação de perda e ciúmes e a nora passa logo a ser a vítima da ira da mãe do rapaz. O problema começa quase sempre logo no primeiro encontro, até porque há um preconceito dos dois. Por um lado, sogra é uma palavra que intimida. Do outro lado, conhecer a mulher que a vai substituir, é desesperante. Dizia uma mulher nas redes sociais: “Minha sogra não entende que o filho dela casou … que tem filhos … que cresceu … e que já é pai de família” …

“Um homem conheceu uma mulher maravilhosa e ficou noivo. Nesse dia combinou um jantar com a mãe para lhe apresentar a noiva. Ora, quando chegou a casa dela levava 3 mulheres, uma loura, uma ruiva e uma morena. A mãe dele perguntou-lhe porque é que tinha levado 3 mulheres em vez de uma só e ele respondeu que era para ver se ela conseguia adivinhar qual era a sua futura nora. A mãe olhou as três mulheres minuciosamente e respondeu: “É a ruiva”. “Como acertaste logo à primeira”, perguntou-lhe o filho. E ela retorquiu: “Porque não posso com ela” …

Adão e Eva foram o casal com mais sorte no mundo, pois nenhum deles tinha sogra. E quando perguntaram a Lenine qual deveria ser o castigo máximo para a bigamia, respondeu: “Duas sogras”.                  

O drama com as sogras acontece em todo o mundo. Na Rússia, onde os jovens casais vivem com os pais por falta de casas, criou-se uma cultura forte de ódio à sogra. Na Espanha existe uma doença que se diz ser causada pelas sogras. Na capital da Índia existe uma ala das prisões especificamente para sogras por exigirem dotes excessivos às noras e romper casamentos. Na Espanha e Itália, uma sogra pode ser processada por prejuízos ou arruinar o casamento. Alguém descobriu uma excelente forma de resolver o problema da sogra e de mantê-la à distância. Tão simples quanto isto: “Basta conseguires convencer a tua sogra a andar quinze quilómetros por dia. Ao fim de uma semana apenas, ela estará a mais de cem quilómetros de distância”.

É verdade que ser sogra pode ser muito difícil, pois habitualmente as noras têm um vínculo forte com as mães. É com elas que discutem e trocam impressões com grande pormenor sobre as mais pequenas coisas e é normal que uma rapariga confie mais na própria mãe do que na sogra. Isto pode provocar ciúmes na mãe do parceiro e gerar que esta comece a especular: “Ela trata-o bem?”, “Ele está a comer aquilo de que gosta?” ou “A casa está limpa e arrumada como ele quer”? Ora, como os filhos raramente falam com as mães sobre isso, elas sentem-se excluídas e resistem, forçando a sua presença que vai acabar por não ser bem aceite pela nora. E “temos o caldo entornado” se ela persistir. 

Há alguns anos uma mulher disse-me uma frase que não conhecia: “A minha sogra e eu fomos felizes durante vinte e sete anos. Mas então, conhecemo-nos”. E nessas palavras transmitiu todo o mal-estar que existia entre ambas a partir do momento em que casou com o filho dela, tendo-lhe estabelecido limites para evitar chantagem emocional sobre o marido como “depois de tudo o que fiz por ti” ou “tu já não te ralas comigo” e outras.

Para nós homens as queixas das sogras são mais humorísticas do que relativas a um problema real. Daí histórias como esta: “A minha sogra apareceu-me hoje de manhã. Quando eu fui à porta, ela perguntou-me: – Posso ficar aqui uns dias? – Claro que pode”, repliquei e fechei-lhe a porta”. 

Para o bem e para o mal, a sogra é a mãe da ou do companheiro/a de vida, um membro de pleno direito da família, uma peça importante para a harmonia do casal. Se ela “desafinar” e não estiver em sintonia, pode estragar a “orquestra familiar” e acabar por fazer com que cada um “toque para o seu lado”. Ora, no tempo em que já não é nada fácil conseguir obter um “dueto” em sintonia harmoniosa, uma ajuda que só vem atrapalhar é perfeitamente dispensável. E então é caso para cantar: “Eu gosto muito da minha sogra, mas quero vê-la bem longe de mim” …

A arte de dar puns, traques ou peidos

Volto a debruçar-me sobre um tema que, quando aqui o abordei, fez com que um amigo me aconselhasse a não escrever mais sobre este e outros assuntos “malcheirosos”, pois não “ficava bem” para a minha condição social. Ora, pelo contrário, acho que os muitos milhares de anos da suposta evolução humana não evitaram que o ser humano continue a ter uma relação de grande pudor  com a sua “flatulência” natural, conhecida como “pum” ou “traque” e vulgarmente por peido, fazendo com que o ato de peidar pareça estar condenado a ser para sempre algo secreto, feito às escondidas, vergonhoso e chocante. É curioso que quando uma criança dá um “pum”, toda a família se ri e acha divertido. Daí que ela se exibe perante os pais, tias e visitas, por ter recebido estímulos positivos aos seus “disparos” naturais. Só não sabe o rebento que, à medida que crescer, o que antes era divertido torna-se escabroso, de mau gosto e condenado socialmente. Vejam lá que, só pelo facto de eu falar neste assunto e de usar a palavra peido, vou ferir a sensibilidade de algumas pessoas como aconteceu com o meu amigo. Mas percebo o pudor, fruto do condicionamento social!                A flatulência tem gerado piadas, folclore, etiqueta e até tem mesmo sido proibida por lei, mas poucos estudos têm sido feitos sobre ela. Hipócrates considerou que ter muitos gases é mau e recomendava que devem ser libertados e a medicina moderna concorda notando que a retenção é um dos principais fatores da doença diverticular, o que só dá razão de ser ao “alívio” que cada pessoa sente nas cerca de catorze vezes por dia em que os liberta. Entre os que se dedicaram a escrever com humor sobre o caso, temos Geoffrey Chaucer, Benjamin Franklin e Mark Twain. E até Aristófanes. Os romanos tinham uma lei que proibia soltar gases em locais públicos, lei que foi suspensa no reinado de Claudius, o mais flatulento dos imperadores. Em Chagga, na Tanzânia, a punição para soltar gases é menos severa, mas vai dar pano para mangas às feministas: Se um marido se peidar, sua esposa tem de fingir que foi ela e de se submeter à censura. Se não cumprir a sua obrigação de esposa, tem de pagar três barris de cerveja. Coitada da Luísa se esta lei vigorasse em Portugal …                                                 No livro a “Arte de dar peidos”, Pierre T. N. Hurtaut para quem peidar era uma arte e o peido bem solto uma arma social, leva o assunto às últimas consequências pois bem lá no fundo quer recordar-nos que, por baixo das rendas e perfumes, nós também temos vísceras como qualquer outro animal e não devemos envergonhar-nos daquilo que somos, mas, pelo contrário, encarar isso com bom humor, até porque, afirma ele, “o peido é uma necessidade da natureza, uma condição de boa saúde que pode e deve ser assumida como uma fonte de prazer, alívio e até de arte, pois dar peidos não custa, custa é saber dá-los”. Hurtaut cita muitos autores clássicos como Aristófanes, Horácio e Cícero entre muitos outros, mas também pensadores atuais para nos lembrar que “um bom peido ou uma sucessão deles, pode ser uma fonte de brincadeira e de prazer, mas também uma arma de guerra ou uma declaração de independência. Além de que “peido dado na altura certo, poderá virar a situação a nosso favor”.                                                                                                                    A “Arte de dar peidos” é uma ocasião rara para aprofundar o assunto sobre o qual muito pouca gente se tem debruçado, ao contrário de Hurtaut que a esgota em todos os aspetos. E se é verdade que o livro foi escrito contra os sisudos, os preconceituosos e os hipócritas, já para não falar nos que têm prisão de ventre ou diarreia mental, a sua utilidade é inquestionável. Diz que, “o que cheira verdadeiramente mal é o preconceito e a incapacidade de rirmos de nós próprios, das nossas debilidades”. Ou seja, “o que o peido tem de dramático é vir lembrar-nos que somos imperfeitos e mortais. Que algo cheira mal, mas muito mal dentro de nós mesmo ainda antes de morrermos e contra isso só há um remédio: rir, mas rir com arte”.                            Afinal, vejam só, parte dos gases é formada pelo ar que engolimos. Ou seja, se falas como um locutor de futebol em rádio FM, comes como o lobo preso ou vives com o nariz entupido, tens chances de peidares mais, além das reações químicas que existem dentro de nós e ajudam essa coisa sem forma que, se entrou, tem de sair. Percebo que a culpa pelo peido ser mal visto é das castrações por vivermos em sociedade. Assim, peidar torna-se condenável, como assassinar. Mal se peide e seja ouvido, verá milhares de olhos acusadores. Por isso, não é para admirar que se finja tanto em sociedade.                                                       O que determina o som do peido é a velocidade e o maior ou menor aperto do canal de saída. Daí o som poder dizer sobre os hábitos de cada um. E nada de fazer muita força, porque uma coisa pode seguir-se à outra. E quanto tempo se tem para fugir dum peido antes que ele chegue ao nariz? Depende! Claro que há pessoas que dizem nunca se peidar. Ora, se está vivo, peida-se, seja homem ou mulher. Nalguns casos, mesmo depois de morto. E não existe hora certa para o escape funcionar, mas é mais provável de manhã, na que é conhecida por “trovoada matinal”, ouvida em toda a casa. E, já de fato e gravata na empresa, segura-se para não os soltar, com medo que feda, que vá ser o tema das piadas ou até de perder o emprego. Mas se pensa que um peido retido é um peido perdido, engana-se, pois ele volta a reentrar, dissolve-se e solta-se quando sentir a passagem livre. Você nunca o perde, só o adia. Mas não se preocupe porque ainda não há peidos às cores que denunciem o autor, embora alguns participem no estranho “ritual incendiário” masculino de peidar e acender o fósforo para ver se pega fogo, mas um intestino cheio de metano pode ser fatal.                                               Já agora, mas não menos importante, o arroto não é um peido que subiu de elevador. São coisas bem diferentes.                                                        O francês J. Pujol ficou famoso pela sua arte e proezas peidescas, pois tinha a capacidade de sugar o ar para depois o libertar e apagar uma vela a 30 cms. Imitava peidos diversos, de uma sogra, de noiva antes e depois da noite de núpcias, roupa a ser rasgada, disparo do canhão e uma trovoada. Com o reto conseguia fumar um cigarro, tocar flauta, imitar galos, cachorros, corujas, patos, porcos, violinos, trombones e rãs.  A performance mais aplaudida era tocar “A Marselhesa”. Penso que, se existissem mais “músicos” como ele, poderiam ter feito uma orquestra sinfónica sem instrumentos, mas capazes de tudo, embora tivessem de ficar de “rabo para o ar”, talvez de “cu ao léu” para que o som saísse nítido e cristalino. Esta habilidade levou um cientista a sonhar se não seria possível também usar o reto como instrumento de fala – afinal só faltava o aparelho fonador pois o resto já lá estava: O fole para o ar e as pregas para criar a vibração. Mas é melhor não!                                           Não sendo “assassino” para estrangular os peidos nem altruísta para reivindicar os dos outros; não sendo covarde que, mal os solta, foge do mau cheiro nem fiscal que cheira o cu de toda a gente e nem infeliz por pensar que vão sair gases e sai “coisa sólida”, sinto o preconceito da sociedade sobre uma exigência do nosso organismo e da nossa condição animal. Daí ela aceitar mais as pessoas desastradas do que quem solta gases. Mas é caso para se perguntar: Quem nunca soltou um peido em público, que levante a mão? Como dizia o cartaz: “Não reprima seus sentimentos. Peide feliz”. E “não segure um peido, pois faz mal à saúde”. A verdade é que toda a humanidade está ligada pelo peido, sem olhar a gênero, etnia ou estrato social. É a manifestação humana mais universal, a prova que desmascara as peneiras e desfaz a cagança. E só o riso é a arma perfeita contra o preconceito, faça-se ele acompanhar ou não da música do traseiro.                                                                    Hurtaut, o poeta dos gases e sábio da flatulência disse: “É vergonhoso que depois de tantos anos a dar peidos ainda não saibas como o fazes e como fazer, pois, há quem peide com classe e há quem se atrapalhe todo. É que dar peidos é uma arte”. Aliás, um dos vários capítulos da mais difícil e exigente das artes: A Arte de Viver.

Símbolos do invento ou criminosos?

Uma senhora amiga abordou-me muito preocupada com a notícia que a imprensa portuguesa divulgou sobre um documento publicado pela PAN Europa – uma rede de organizações que procura minimizar efeitos negativos dos pesticidas perigosos e, além disso, substituí-los por alternativas ecologicamente corretas. Segundo esse documento, as maçãs e peras portuguesas estão no segundo lugar do “ranking” da maior proporção de frutas contaminadas em 2019, sendo que em 85% das peras portuguesas testadas e 58% de todas as maçãs foram encontrados resíduos de pesticidas perigosos. Percebi a preocupação da senhora pois a fruta é um alimento que faz parte da nossa dieta alimentar de todos os dias e saber que as peras que compramos no supermercado ou na frutaria estão contaminadas, é preocupante. Apesar do aspeto lindo, calibrado e perfeito da fruta que atualmente aparece no mercado e cujo sabor não corresponde à apresentação, vivemos alheados de uma realidade: Grande parte dessa fruta contem resíduos de pesticidas e não há volta a dar. Se não tivermos isso em conta e não cuidarmos de ter algumas precauções, sofreremos as consequências. Usam-se demasiadas vezes os pesticidas de forma incorreta, sem respeito por nós, consumidores. Neste mundo real, o “manuseamento adequado” de pesticidas é simplesmente inviável. Ou quase. Nem com as formações obrigatórias …                                  Voltando à fruta: felizes daqueles que conseguem ter fruta em casa, biológica, sem a utilização de fertilizantes nem pesticidas. Esses, sim, podem dizer que têm fruta caseira… embora haja por aí muito boa gente que a diz ter, mas trata as fruteiras com todo o tipo de produtos químicos. Está bom de ver que fruta comem! É como com os frangos caseiros alimentados a ração industrial…                                                      É verdade que a necessidade de obter produções altas para conseguir rentabilizar a atividade exige o controle das pragas e doenças e para isso é preciso recorrer aos pesticidas – incluindo os perigosos – caso contrário o preço da fruta ao consumidor dispara. 

E a fruta biológica? É uma boa solução se for mesmo biológica, só que o preço não agrada a quem paga. Por isso, a questão que hoje se coloca ao sabermos que a maior parte da fruta que compramos tem resíduos de pesticidas, é se devemos deixar de a comer ou não. E não comer uma maçã é uma má decisão, mas comer uma maçã sem a lavar ou descascar, é uma decisão pior, até porque comporta riscos. Mais difíceis são as cerejas, morangos, framboesas, mirtilos e outros frutos que não se podem descascar. Nesses, a lavagem é a única forma de evitar ou atenuar o problema porque, sabe-se que há quem trate a fruta poucos dias antes da colheita com “os tais venenos”, para chegar “bonitinha” ao mercado, sem dar o tempo obrigatório para o pesticida se decompor. Mas fala-se da fruta e não se pergunta se os legumes têm resíduos de pesticidas ou não? Claro que dificilmente conseguimos vingar a alface e o tomate, como muitos outros, sem os tratar. E, como se descasca a alface?                                                                                                                      Os produtos químicos são hoje uma constante na nossa vida. Usamo-los todos os dias em milhentas circunstâncias e na maior parte das vezes nem temos consciência de que o fazemos nem dos riscos que corremos. O que são os detergentes senão produtos químicos e qual a carga perigosa que podem transportar? Quantos desses químicos não são despejados todos os dias na banca da cozinha ou no esgoto das máquinas de lavar? E não ficamos de consciência tranquila só porque os mandamos para o esgoto, sem nos preocuparmos para onde vão e em racionalizar o seu uso?                                                                                                             Sem explorar o uso e abuso que fazemos dos medicamentos, será que temos noção da carga de produtos químicos prejudiciais à saúde que ingerimos todos os dias quando comemos carne, seja de porco, vaca, peru, frango ou avestruz? E o mesmo se passa com o peixe criado em aquacultura, alimentado com rações e protegido com antibióticos em doses maciças! Por acaso demo-nos ao cuidado de ver o que contêm os alimentos processados? E nos sumos e refrigerantes temos noção dos conservantes e outros que asseguram a sua conservação? Claro que a maioria de nós nem sequer lê o que está escrito nos rótulos e nem está preocupada com isso. Mas, se tivéssemos de identificar os produtos químicos com que nos deveríamos preocupar, a exemplo dos pesticidas perigosos, era necessário aumentar muito as páginas deste jornal.                                                                                                       Para percebermos até onde os produtos químicos podem interferir na nossa vida e de que forma, até os mais improváveis, vale a pena recuperar a história de um daqueles que foi considerado como um símbolo da invenção americana: o Teflon. Foi usado para fabricar milhentos produtos, desde tintas, impermeáveis, botas, tecidos e muitos outros entre os quais o revestimento para um utensílio que todos nós levamos para nossas casas: frigideiras. O slogan era este: “com antiaderente Teflon, frigideira feliz”. Fabricado pela Dupont, uma das maiores multinacionais da indústria química, depressa se aperceberam que algo estava mal. Fabricaram cigarros com Teflon e os empregados que serviram de cobaias viriam a ser hospitalizados. Mulheres grávidas que lidavam com o produto deram à luz crianças com malformações, mas nem assim as mulheres foram retiradas da produção. A Dupont sabia que o C-8, composto usado para fabricar o Teflon, libertado no ar ou enterrado, causava cancro. Os mil milhões de dólares de lucro anual eram bastante mais importantes que essas ninharias dos funcionários, clientes e consumidores expostos a algo tão perigoso, pois o C-8 não é decomposto e fica dentro de nós para sempre. O Teflon foi inventado para ser usado em frigoríficos e veio a acabar no revestimento de panelas e frigideiras e no sangue de 98% dos seres humanos, pois desde 1950 foram produzidos biliões e mais biliões de utensílios de cozinha revestidos com Teflon. Vale a pena ver o filme “Dark Waters – Verdade Envenenada” para se perceber os dramas por detrás deste “milagre industrial” e a luta dum fazendeiro americano ao ver morrer as suas vacas com feridas no corpo, cancro nos órgãos internos e comportamento agressivo só porque bebiam água de um riacho junto ao aterro onde a empresa enterrara alguns resíduos industriais do produto e as dificuldades do seu advogado para lutar contra uma empresa gigante, numa guerra tão desigual e impossível, qual David contra Golias, mas que fez história.                                        Tudo isto para dizer que os resíduos de pesticidas perigosos na fruta que comemos existem e são a fatura do desenvolvimento a qualquer preço e o resultado do seu mau uso, especialmente no desrespeito pelo tempo que tem de ser dado para que o pesticida se decomponha antes de a comermos. Mas temos de ter consciência que são só uma parte do problema do uso de químicos na nossa vida. Nós não somos senão marionetes nas mãos dos senhores do poder mundial, seja ele político, económico, industrial ou outro qualquer, que não olham a meios para alcançar os resultados que se propõem, ainda que para tal tenham de deixar um rasto de vidas humanas sem que isso lhes tire o sono ou pese na consciência, em nome do lucro e poder. A História da Humanidade está cheia de gente dessa e hoje estamos todos a sofrer as consequências de mais um desses loucos …  

Acidentes normais ou negligência?

Num domingo de manhã eu e o Jaime Moura saímos de Lousada em direção ao Autódromo de Braga para darmos a nossa colaboração nas corridas do fim de semana enquanto credenciados como comissários desportivos pela FPAK. Quando entrei no Lancia com ele ao volante, a chuva caía torrencialmente e fomos diretamente para Paredes onde entramos na autoestrada rumo à A3. A chuva continuava e, a meio da primeira subida, vimo-nos de repente no meio de um mar de água que ia da berma ao centro da autoestrada, que fez com que o carro entrasse em “aquaplaning”, fizesse 3 ou 4 peões e fosse bater no rail central. Mal saímos do carro, surgiu a correr um homem vindo da casa que estava perto da via e, depois de ver que estávamos bem, disse: “Neste sítio, hoje já é o terceiro acidente e quando chove muito aqui há sempre despistes, porque a valeta não é limpa e nem tem capacidade para evitar que a água nestas ocasiões atravesse a estrada como estamos a ver”. E efetivamente, como aquela subida tem cerca de 200 a 300 metros, a água da chuva a descer era muita e a valeta não só não tinha capacidade, como estava coberta de terra e não havia saídas visíveis para fora da autoestrada. O lençol de água que atravessava a via era muito grande, podendo ser fatal para qualquer automóvel, mas mais ainda para o Lancia do Jaime porque estava “calçado com sapatos” muito largos. Pelo que nos disse o vizinho do local fatídico, isso já acontecia há anos, sem que alguém resolvesse o problema. Ora, imprevistos destes podem acontecer sempre, mas o que é condenável é que o problema se tenha arrastado demasiado tempo, no dizer do popular, quando se podiam ter evitado acidentes e os custos inerentes, em que o pior nem sempre é o dinheiro.

Mais tarde o Jaime viria a acionar um processo para ser ressarcido dos prejuízos e, enquanto este decorria, os serviços de manutenção da autoestrada efetuaram vários cortes no pavimento, em diagonal, por forma a drenar a água das chuvas. Seria caso para se perguntar: porque não o fizeram logo após ter ocorrido o primeiro acidente?

Sabe-se que pelo país fora, aqui e ali são detetados pontos críticos onde acontecem sistematicamente acidentes, em alguns casos com sinistralidade grave, sendo conhecidos pela população local, além da imprensa, mas ignorados por quem tem a obrigação legal de corrigir o defeito seja ele qual for, estando sujeitos a ter de indemnizar os lesados sempre que estes reclamem ou recorram para a justiça. E são conhecidas muitas sentenças nesse sentido, pois quase todas as entidades responsáveis tentam “fugir com o rabo à seringa” pelo que os processos acabam na justiça, numa forma de “adiar o pagamento” e “ir empurrando com a barriga para a frente”.

Um exemplo incompreensível, e diria até criminoso, já identificado desde que se fez a A4, é a saída em Penafiel para a estrada nacional que vai para Lousada e Guimarães. Quantas dezenas ou até centenas de acidentes aconteceram nessa saída, com consequências trágicas, graves ou mais ligeiras tanto em vítimas como prejuízos materiais? Quantos deles perderam ali a sua vida e com ela morreram ilusões e sonhos, destruíram-se famílias ao tombar o chefe, caíram crianças e jovens na flor da idade? E toda a gente sabe disso, pois tanto se tem falado ao longo destes anos, com vigílias que de nada valeram, com o absurdo do próprio presidente da câmara local afirmar ter efetuado diligências junto do organismo responsável pela estrada nacional para ali se fazer uma rotunda que resolveria de uma vez por todas o problema, sem ser ouvido pois estão surdos e cegos ao ignorarem as tragédias que têm sido recorrentes naquele local. É incompreensível que não exista neste país ninguém com o poder de obrigar essa gente a salvar vidas que podem ser as nossas e patrimónios que custaram muito. Se calhar estão à espera de quem os obrigue a dar atenção ao problema e faça “olhar e ver” embora isso só vá acontecer quando ali tombar o filho de um “figurão” da nossa praça e o “coro mediático” os atingir em cheio …

Já agora, aqui a cem metros de minha casa há uma situação que se vem arrastando há muito tempo, sem se compreender o porquê de não ser resolvida. Acho mesmo que é um bom local para se montar uma oficina de reparações tal é a quantidade de viaturas que ali são maltratadas e ficam a precisar de uma boa intervenção mecânica. O ponto crítico situa-se na vila de Lousada, mais concretamente no entroncamento da Av. Sá e Melo com a Av. Nª. Sra. Do Loreto. Para organizar o trânsito naquele local existe uma mini rotunda à volta de um poste, que seria mais que suficiente. Mas, além desta, foi colocado ali um pequeno passeio em triângulo para “encarreirar” quem vai na Sá e Melo e quer virar à direita rumo ao Loreto. Ora, ao entardecer de um dia de sol, quando este se inclina para a poente fica perfeitamente alinhado com a Av. Sá e Melo e qualquer condutor que siga nessa via a partir do centro, apanha com o sol em cheio nos olhos deixando de ver por completo o triângulo miniatura. Assim encandeado, quando mal se acorda está com a viatura “a cavalo” no “obstáculo”, o que não teria consequências de monta se não fosse um pequeno ou grande senão: presumo que, para dar visibilidade ao triângulo, montaram um sinal luminoso em cima do bico do triângulo, mas deve ter ficado inteiro durante pouco tempo, pois alguém o cavalgou destruindo a parte aérea. No entanto, cravada no triângulo permanece a base em ferro fundido com seis “dentes” fortíssimos ao alto, espetados acima do passeio, que funcionam como uma garra metálica a rasgar a parte de baixo toda das viaturas que têm o azar de lhe passar por cima. E é assim que a blindagem, cárter, motor e outros órgãos dessas viaturas “vão de vela”, deixando os condutores de cabeça perdida. Por mero acaso, há dias vi ali uma mulher com as mãos na cabeça como se não acreditasse no que lhe aconteceu e, noutro momento, um condutor jovem muito preocupado, sei lá se a querer saber o que dizer ao pai. Alguém que trabalha bem perto diz que já perdeu a conta de quantos acidentes houve e continua a haver nesse local, mas que nada se tem feito para os evitar. E a solução é bem simples: basta eliminar por completo o malfadado triângulo com a perigosa garra de 6 dentes (já são só 5, pois um foi arrancado numa batida mais forte e está caído no seu interior). Mas, com esta ou outra solução, parece ser tempo de se pôr fim à lista de acidentes que têm marcado o local e aos estragos e prejuízos inerentes. 

Ou então, ficamos à espera que o familiar de uma figura mediática ou de um político da nossa praça fique encavalitado nesse triângulo maldito, com o motor do carro a verter óleo e o sinistrado a verter lágrimas, para que o problema seja resolvido de pronto …

Do pátio da casa dos meus pais …

À medida que os anos passam, depois de subir as escadas de acesso ao andar da casa dos meus pais, mais costumo parar no pátio e olhar a extensa paisagem que se estende à minha frente, cobrindo a aldeia onde nasci, uma boa extensão do vale do Sousa e a encosta que sobe até ao alto da Trovoada por detrás da qual, e bem longe, podíamos, e podemos, ver se há neve no Marão. Apesar de ser a mesma Serra do Marão e as mesmas encostas, montes e vales, hoje a paisagem é muito diferente, não tanto por ter desaparecido a retrete que havia no topo do pátio – um “luxo” no seu tempo – mas por a paisagem estar despida quase por completo das muitas matas de pinheiros e carvalhos que lhe davam uma beleza particular, que já não consigo encontrar nesse casario variado, desordenado e numeroso que veio manchar a ordem natural como nódoas em bom pano, entre campos, quintais e jardins. 

Já não encontro aqueles velhos carvalhos de troncos enormes, cheios de musgo verde, mas de uma beleza natural especial, esburacados e com grandes “nocas”, onde em criança procurava apanhar o macho das “cornelas”, nome que dávamos à “vaca-loura”, com muito cuidado para não levar um apertão das suas mandíbulas em forma de pinça. 

Já não vejo os pinheiros e os poucos que ainda teimam em escapar à razia nunca chegarão a ser tão grossos e grandes como outrora para dar tábuas de pinho de cerne que duravam mais do que as tábuas de castanho (castanheiro) e eram usadas tanto no soalho como para fazer esquadrias (janelas e portas), num tempo em que a madeira era o único material para as fazer.

Já não vejo a paisagem pintada com as cores de milhares de pássaros de variadíssimas espécies, desde os gaios, pegas, petos, rolas bravas, tordos, chascos, toldeias, boeirinhas (alvéolas ou lavandiscas), cucos, poupas, ferreirinhos, carriças, andorinhas nem nada daqueles bandos de tordos e dezenas de pintassilgos que formavam autênticas nuvens e vinham poisar nas flores dos cosmos que a minha mãe semeava nas traseiras da casa. Hoje por ali já quase só podemos encontrar pardais e melros, pois os outros não conseguiram resistir à destruição do seu habitat natural, ao uso indiscriminado e descontrolado de inseticidas que os “matam como tordos”. Não temos noção do quanto perdemos com o desaparecimento de muita espécie de aves da região pelo seu contributo no equilíbrio ecológico pois são autênticos “semeadores” a espalharem sementes de árvores, como agentes polinizadores, além de reguladores da população das suas presas. 

E já não vejo daquele pátio a cerejeira da senhora Emilinha “Séria” e nem os pássaros a irem ali procurar alimento para si e seus filhotes, o que me permitia daquele “posto de observação” segui-los com o olhar para tentar descobrir o ninho, o que era fácil com alguns deles, como os melros, mas muito difícil com outros, como o “chasco”, pois fazia sempre questão de enganar os perseguidores na sua deslocação para o ninho.  

Já não vejo os quintais bem cultivados onde estava sempre presente a couve-galega que fazia parte da alimentação diária de toda a aldeia, tanto no caldo verde, caldo de couves esfarrapadas ou para alimentar porcos e galinhas. E até as ramadas, outrora tidas como prioritárias em qualquer quintal para a produção de uvas e daí alguns almudes e até pipas de vinho, indispensável na mesa de qualquer casa por mais pobre que fosse, desapareceram da paisagem e deram lugar a jardins mais ou menos cuidados, quando não a logradouros pavimentados para não dar trabalho ao dono pois já são muito poucos os que ainda cultivam a terra, pois é mais prático “colher os legumes no quintal do supermercado”.

Já não vejo o sarilho, a corda e o balde no poço da casa dos meus pais, poço que ainda continua por lá, mas que não tem a mesma utilidade de quando eu era criança. Nessa altura, se queríamos água para casa tínhamos de a tirar do poço a balde, encher os cântaros de barro que se levavam para a cozinha e dali se tirava água “a coco” para todos os usos domésticos. E muita sorte tínhamos porque grande parte dos habitantes da aldeia ia à mina ou a alguma fonte natural e carregava o cântaro à cabeça até casa, trabalho que ficava normalmente a cargo da mulher. Anos mais tarde o meu pai mandou instalar uma bomba com uma grande roda, mas era preciso “dar à manivela”, fazer girar a roda e acionar o êmbolo para tirar água. Hoje o poço está lá, mas tem um motor elétrico que simplifica o trabalho. No entanto, a água que alimenta a casa vem da rede pública, sendo mesmo obrigatória a sua ligação mesmo que não se use.  A água do poço é usada para regar jardim e quintal ou lavar logradouros. E passamos a ter a água como um bem adquirido. Quer chova ou faça sol, basta abrir uma torneira e a água corre sempre. Mas será que vai correr sempre e a podemos desperdiçar como o temos feito?

Já não vejo a minha avó a tirar o cavalo da corte na casa em frente e a colocar-lhe os arreios para o atrelar à carroça carregada de fazendas para vender na feira de Lousada e arredores. Já ninguém se desloca em carroças nem sequer as há a não ser nos museus etnográficos, mas ficaram-me na memória algumas viagens ao lado da minha avó, naquele banco de madeira da carroça, que já era um luxo pois quase toda a gente ia a pé para a feira.

Do pátio da casa dos meus pais já não vejo passar crianças caminho abaixo, a pé, para a escola, muito menos a jogar a bola ou brincar no monte atrás da nossa casa, livres como passarinhos, onde a aldeia toda era o seu mundo, sem pais “à perna” pois cada mulher era mãe. 

Do pátio da casa dos meus pais já não vejo a minha aldeia como uma comunidade, praticamente sem muros, de portas abertas, em que as pessoas partilhavam os poucos bens que tinham e as vidas, estavam disponíveis umas para as outras, entreajudavam-se em tarefas como vindimas, desfolhadas, sacha do milho e outras. As casas eram muito simples, pobres e despidas de coisas, sendo a solidariedade o maior bem. Hoje vejo muitas casas excelentes e com todas as comodidades que, outrora, eram tidas por palácios. Mas estão rodeadas de muros altos, alarmes e câmaras de vigilância, para manter os ladrões (e os vizinhos) à distância. Deixou de haver a convivência entre vizinhos (e tantas vezes nem se conhecem) para cada um ficar fechado em si, de olhos fixos na televisão, no computador ou telemóvel, comunicando com quem está longe, mas mantendo longe quem está muito perto. Já não sei se ainda somos um meio rural com os vícios urbanos ou se já passamos a meio urbano com uma falsa ruralidade, despida do bem maior que o meio rural tem consigo: a comunidade. 

Por isso, sempre que regresso àquele pátio, tenha saudades da minha terra … 

Em tempo: Já o artigo estava escrito quando a minha irmã torceu um pé e foi ao hospital. Engessaram-no, pois estava partido. Ao regressar a casa ao meio-dia, já uma vizinha lhe preparara e levara o almoço. E quando eu ia a sair, uma outra estava a chegar para fazer o mesmo. Afinal, ainda restam alguns bons pedaços da minha aldeia … 

Seremos súbditos de sua Majestade?

Liguei a televisão porque queria ver as notícias do país no telejornal da noite na RTP1. Depois do genérico, a notícia de abertura foi sobre a morte da Rainha Isabel II de Inglaterra. Passaram-se 5, 10, 15, 20 minutos e o tema continuava a ser o mesmo. Mudei para a SIC e não havia diferença: a morte da Rainha Isabel II. Tentei na TVI e passei à CNN Portugal, CMTV e por aí adiante. Estavam todas sintonizadas no mesmo assunto como se isso fosse a coisa mais importante para nós portugueses a viver em Portugal. Só quase 45 minutos depois é que consegui ouvir uma notícia sobre o país onde vivo e para tentar saber aquilo que para mim é prioritário. Já tinham passado três dias sobre a morte da rainha e a notícia continuava a “dar pano para mangas”, de forma abusiva e saturante para quem não é súbdito de sua majestade. E dizem eles que isto vai durar pelo menos dez dias pois Isabel II só vai a enterrar lá para a outra semana. Daí que todos os nossos canais televisivos enviaram para o Reino Unido os seus “pesos-pesados” da informação para relatar tudo o que se iria passar durante vários dias, “tintim por tintim” como se usa dizer. Não estou em Inglaterra e se quisesse apanhar uma “injeção” destas ligava para a BBC ou outro qualquer canal inglês. A esses sim, cabe a obrigação de explorar o assunto até à exaustão até porque os clientes ingleses gostam disso, vivem intensamente os rituais da monarquia e as vidas da sua rainha, príncipes e princesas e outros titulados mais da corte.

Mas nós fomos abusivamente informados pelas televisões de cá para ficarmos a saber em pormenor o que por lá se passa e vai continuar a passar. Assim soubemos que Isabel II morreu no castelo de Balmoral, na Escócia, onde passava 3 meses por ano. E que a morte foi mantida em segredo até que os governantes soubessem pela mensagem em código de que “a ponte de Londres caiu”. Só depois o mundo tomou conhecimento. A BBC vestiu-se de preto e tocou o hino nacional. As bandeiras foram colocadas a meia haste no Reino Unido. Depois, as televisões encarregaram-se de nos mostrar e informar que o corpo iria repousar no menor dos seus palácios, o Holyroodhouse. Daí seria transportada ao longo da Royal Mile até à Catedral de St. Giles. Ainda tiveram o cuidado de nos referir quais as mensagens do presidente Marcelo e do primeiro-ministro português. Que Joe Biden, dos EUA, lembrou a rainha como “mulher de Estado”. O presidente italiano definiu Isabel II como “figura de importância excecional”. Soubemos que o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, lamentou a morte da rainha. E Macron referiu “o seu importante papel”. Continuamos a ouvir que o primeiro-ministro do Canadá destacou “a sabedoria e compaixão da rainha” e na Espanha, Pedro Sanchez, disse que ela era “uma figura de relevância mundial”. Por amor de Deus !!!

Soubemos também quais eram os problemas de saúde da rainha, a sua história de vida em pormenor desde que nasceu e todo o seu percurso ao longo de 96 anos, os primeiros-ministros com que lidou, as numerosas viagens que fez e que dariam para dar muitas voltas ao planeta e os cento e muitos países que visitou. Também disseram que enquanto os ingleses choram a sua rainha, os argentinos celebram a sua morte! Depois, vimos em longas imagens a viagem do caixão para Londres e o percurso do aeroporto até ao Palácio de Buckingham.

Entretanto, acompanhamos a proclamação de Carlos III como rei, os arautos à maneira antiga a espalharem a notícia por Londres entre os disparos da artilharia. Também nos mostraram imagens do rei na passagem por Edimburgo e Belfast a receber cumprimentos e tentar manter a unidade do Reino Unido, chegando a Londres a tempo de participar e liderar as homenagens à rainha sua mãe. Participamos televisivamente no longo cortejo que levou o caixão do Palácio de Buckingham até ao Westminster Hall entre uma enorme multidão e ao som dos disparos da artilharia, num ritual ensaiado ao pormenor, para depois ser transportado ao ombro de 8 militares até ao interior.

E após uma cerimónia religiosa com a presença de toda a família e os convidados, num conjunto de rituais que a realeza faz questão de preservar, as portas abriram o velório à multidão durante mais de 4 dias, 24 horas por dia, de que não deixaram de nos mostrar imagens diárias para não esquecermos o caso, só interrompido durante um período curto para que os chefes de estado estrangeiros pudessem prestar a sua homenagem à rainha Isabel II.

No dia do funeral, o Big Ben tocaria às 9 horas da manhã, para depois das cerimónias fúnebres, o caixão ser transportado numa carruagem militar até ao Castelo de Windsor, onde seria realizada a cerimónia final.

Enfim, aquilo que a gente teve de ouvir e ver nas televisões sobre este acontecimento que, sendo de grande relevância para o Reino Unido, seguramente não o é para nós, tendo sido um autêntico massacre à nossa paciência, que só pode ser justificado por ser informação com conteúdo relativamente barato e em quantidade, que as televisões aproveitam para aliviar os seus magros orçamentos. A verdade é que, assim como a Guerra da Ucrânia “matou” as longas notícias sobre o covid-19, a morte da rainha Isabel II “matou” as muitas notícias sobre a Guerra da Ucrânia. E, intencionalmente ou não, passaram para um plano secundário as notícias de interesse nacional o que dá sempre muito jeito a quem está no poder porque, “enquanto o pau vai e vem, folgam as costas” pois as notícias sobre a morte da rainha Isabel II são uma boa distração para se esquecer os “casos” da governação.

Respeito a morte de Isabel II como ser humano, mas confesso que, para além da notícia essencial da morte da monarca, a avalanche de informação adicional do acontecimento e que os canais televisivos exploraram “até ao tutano”, não tem qualquer interesse especial para mim. O que fizeram, disseram ou pareceram sentir os familiares, qual o número de disparos de artilharia, os eventos cancelados, por onde andaram este e aquele, a opinião dos nacionais e estrangeiros, quem vestiu o quê e todos os milhentos pormenores que descobriram nesta “missão”, é irrelevante. Enfim, vendo bem, foi um absurdo e um mau serviço público. E, como que a abençoar esta “chuva de notícias”, o governo decretou 3 dias de luto nacional. Com franqueza!!! Fico à espera para ver se, quando morrer um presidente da república por cá, os ingleses decretam lá luto nacional. Mas, por prevenção, vou ter de esperar sentado … 

Mas se calhar eu devo estar errado porque, afinal, somos súbditos de sua Majestade Real!!! E eu não sabia …